sexta-feira, 19 de junho de 2009

Conto de um teenager atrasado no tempo...

Isto é o/um desab.... não, não é. Não pode ser. Estes ultimos meses correram bem. Cadeiras feitas, uma por fazer, defini tudo muito bem definido. Sentei-me vezes suficientes ao sol, dormi lá algumas. Li os livros certos para a altura certa e, nem tudo foi Kerouac e Burroughs e Ginsberg. Houve mesmo alguns que foram de outros nomes e epocas...
Por isso não percebo lá muito bem o que aconteceu. Tratei bem quem tinha de tratar, dediquei as minhas forças a sonhos que valiam a pena. Deixei os meus braços envolverem o corpo que queria. Lutei por alguma felicidade de quem gosto. Então que raio aconteceu?
Será que estou de novo numa encruzilhada? Será que tenho de fazer mais uma escolha que defina algo? É que ainda agora fiz uma dessas, ainda agora pus as minhas mãos no destino e mandei-lhe quatro chapadas... ainda agora berrei bem baixinho o que queria para mim.
Tem de ser de novo isto tudo? Não posso estar um bocadinho sem escolhas? Não posso sentar-me na cama de outra pessoa e ter alguem a tomar conta de mim?
Ai isto é patético, escrever cenas confessionais de um teenager com 12 anos de atraso ao som de Jeff Buckley e a choraminguice da Hallelujah... vai-me fazer muito bem à minha credibilidade. Se calhar devia mudar para o pai e ouvir a Song to the Siren, se calhar assim faria mais sentido ter quase 30 e andar a choramingar.
A cada seis meses uma escolha... já chega. Quero a vida simples do idiota que se ri e diz apenas: "hey, tudo bem?"
A sério... já chega... na playlist até já tá a passar Radio Macau - Cantigas de amor... não acham que já chega?

Não achas que já chega?

4 comentários:

Lovernios, o Raposo disse...

A vida é feita de escolhas. Parar de escolher é parar de viver. São as alegrias e sofrimentos que a fazem. Super bock loura ou preta? Decide-te. Seja de que maneira for, o resultado é o mesmo.

É o contentamento de estar descontente, e o descontentamento de estar contente. Queres mais? Abraça-o. Procura-o.

Foda-se, get comando and rock on without looking back. Life's a bitch, hump it.

Patrícia disse...

por mais que tentes estar momentos da tua vida sem escolher isso é impossivél. todos os dias fazes escolhas, por mais insignificantes que sejam. mas quando as maiores escolhas chegam, é que ficamos bem fodidos da vida.
não, não pareces um jovem de 12 anos a choramingar por alguma coisa. pareces mais outra parte da tua pessoa. a parte que fica super aborrecida quando tens que fazer escolhas, e nunca sabes qual a melhor para ti. hey, isso também me acontece a mim, e acredita que não tenho 12 anos. :p
também podes optar por não escolher. e tu é que sabes quando parar. achar é uma coisa, fazer com que pare é outra. :)

Anónimo disse...

Carlinhos, Carlinhos... Eu não te conheci aos 12 anos (ainda bem, acho eu! Vi fotos e acho que não ia gostar) mas já te conheço há uns anitos e acho que este sempe foi o teu grande problema, tomar decisões... Mas se olhares para trás, vais ver que até nem te tens saído mal, Portanto, o teu receio de levantar o rabo da cadeira,agarrar o destino pelo colarinho e dar-lhe um par de estalos, como tu dizes, é infundado.
A vida é feita de escolhas, a de todos nós. Alguns não têm medo de se atirar de cabeça, outros morrer de medo de falhar, de arcar com as consequênicas... Mas apesar de todo esse receio, a verdade é que tens tomado decisões sempre que é preciso. E desta vez não vai ser diferente. Tenho a certeza. Estás só a precisar de um abraço, daqueles que nos dizem: "Tu consegues. E se alguma coisa correr mal, eu estou aqui, sempre estive".
E atmbém esse abrço há-de chegar, sei que sim...

angie disse...

Ups! esqueci-me de assinar, mas deves saber que sou eu.

angie